Agir para preservar!

Junte-se a nós neste movimento.

água.png

Sobre nós

Somos um movimento, sem fins lucrativos, que busca a preservação da represa de Nova Ponte, localizada na bacia do Rio Araguari-MG, na região do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro.

Nosso propósito é mostrar a realidade dos múltiplos usos desta represa para todos! A ideia é sensibilizar, principalmente as autoridades legais para acionar, o quanto antes, os órgãos competentes de gestão hídrica*, impedindo de baixar, ainda mais o nível de água na represa com ações capazes de recuperar os impactos socioambientais na população e preservar o lago e o seu entorno.

Além de fornecer água para geração de energia nas Usinas Hidrelétricas nas calhas dos Rios Paranaíba e Paraná, a Represa de Nova Ponte é de vital importância para o desenvolvimento sustentável das atividades econômico-produtivas de piscicultura e comercialização de pescado, turismo e agropecuária, preservação do solo, fauna e flora e abastecimento de água para os municípios do entorno do lago, do Rio Araguari e de seus afluentes.

 

A nossa represa não pode morrer!

Estamos desenvolvendo ações para a preservação da vida, com sensibilização e cobranças das autoridades, comunicação em massa, movimentos nas rodovias próximas à represa e um abaixo assinado. O seu apoio e a sua assinatura no abaixo assinado é muito importante para nós.

*Gestão hídrica de responsabilidade do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), CEMIG, ANA (Agência Nacional de Águas), IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas),

SUPRAM Triangulo Mineiro (Superintendência Regional de Meio Ambiente), COPAM (Conselho Estadual de Política Ambiental) e outros.

 

Portaria do IGAM (Instituto Mineiro de Gestões das Águas), em 14 de setembro de 2021

Viemos informar que o movimento SOS Represa de Nova Ponte,

rio Araguari e Afluentes, tem muito o que comemorar. 

Com a soma dos esforços dos prefeitos, vereadores, deputados estaduais e federais, Ministério Público do Meio Ambiente, Sindicatos de Produtores Rurais, piscicultores, agentes de turismo, rancheiros, ambientalistas, imprensa... enfim todos nós, cidadãos parceiros e apoiadores deste movimento, nos diversos municípios no entorno da represa de Nova Ponte, que mobilizamos, trabalhamos, reivindicamos, lutamos e alcançamos nossa primeira conquista:

Atendendo ao requerimento da Comissão de Agricultura e Agroindústria da ALMG, expedido pelo seu presidente deputado Heli Grilo em Audiência Pública realizada no dia 1º de setembro, o IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas) publicou a Portaria Nr. 69, determinando que o Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS adeque as condições de operação da Usina Hidrelétrica de Nova Ponte e estabeleça as regras operativas para as demais UEHs no rio Araguari, de modo que o reservatório seja operado mantendo o nível do lago acima da cota mínima de 782,5 metros em relação ao nível do mar. O que equivale a operar o lago de Nova Ponte com volume útil mínimo de 10% para geração de energia elétrica.

Atendendo ao requerimento da Comissão de AgriEsta portaria proporciona a condição mínima de sobrevivência no reservatório de Nova Ponte, da piscicultura e do meio ambiente neste lago, numa situação de emergência durante esta grave crise hídrica no país, ou seja, vigora até 30 de novembro de 2021 quando, esperamos, seja o final do período da seca.

Mas este é o primeiro degrau da nossa luta, temos que trabalhar muito ainda para planejar e estabelecer a cota mínima de multiusos deste lago e também desenvolver e implantar o programa de Produtores de Água na bacia do rio Araguari, ações necessárias para garantir agua de qualidade e quantidade para o desenvolvimento sustentável da nossa região e evitar que esta situação crítica se repita nos próximos períodos de seca.

publicação da portaria correta.png

Vídeos Institucionais

 
DJI_0005.JPG

É importante saber

start.png

1987

Início da construção da Usina Hidrelétrica de Nova Ponte, no rio Araguari/MG.

represa.png
engrenagem.png

1994

Início das operações

pela CEMIG.

peixes mortos.png

Importante 

Segundo o site da CEMIG, a represa tem 443 km² de área inundada, capacidade máxima de acumulação de 12,8 trilhões de m3 de água, com o espelho d’água a 815 metros acima do nível do mar. E o Nível de Água mínimo nesta represa é de 775,5 metros acima do nível do mar, quando chega no chamado volume morto.

2021

Atualmente a represa conta com somente 12% do nível de água da sua capacidade total, com redução do nível em mais de 30 metros, afastamento das margens em dezenas de quilômetros e com nascentes próximas, riachos e afluentes secando.

 
 
aspas cima.png

Precisamos estancar o esgotamento deste lago,
a CEMIG informou que o nível pode baixar até o volume morto,
o que é a morte anunciada de 15 milhões de tilápias em criatórios
e mais milhões de peixes nativos, além da devastação
econômica, social e ambiental de toda a região.

aspas baixo.png

Municípios banhados

O lago, quando cheio, inunda uma área de 443 km² nos municípios de:

• Iraí de Minas

• Nova Ponte

• Patrocínio

• Perdizes

• Pedrinopólis

• Santa Juliana

• Sacramento

• Serra do Salitre

 

Além de influenciar a qualidade e quantidade de água nos rios afluentes na cabeceira do Rio Araguari, nos municípios de:

• Araxá

• Campos Altos

• Ibiá

• Pratinha

• Rio Paranaíba

• São Roque de Minas

• Tapira

DJI_0013.JPG